RELVA NATURAL OU RELVA ARTIFICIAL?! QUAL A MELHOR?!

Hoje voltamos a abordar um dos temas mais discutidos do momento. Realmente qual é o melhor tipo de relva, a natural ou a artificial?! Hoje iremos abordar as suas características e ver se podemos finalmente resolver esta disputa.

29 October 2019 - Por Bruno Ferreira

Já levamos algum tempo a ver como imensos clubes a nível mundial, sejam eles profissionais ou amadores, a instalar campos de relva artificial/sintética nos seus campos principais. Por exemplo já é até possível ver campos de relva artificial em estádios de Primeiras divisões, como por exemplo nos países nórdicos, Rússia e até no estádio do Atlanta United da Major League Soccer. Essa mesma instalação vem aliada à dificuldade de imensos clubes em manter um campo de relva natural em óptimas condições, sobretudo nas temporadas mais frias, ou inclusive nesses locais onde o uso seja massivo, como por exemplo nos chamados clubes de bairro, onde todas as categorias utilizam o mesmo campo para treinar e jogar. No entanto não devemos nunca esquecer de que para jogar e treinar em campos em de relva artificial devemos comprar o calçado adequado, o que neste caso seriam as chuteiras de futebol AG ou Ag-Pro.

Porque utilizamos relva artificial?

Actualmente os campos de relva mais comuns são os 3G, compostos por plástico, borracha e uma primeira base de material sintético. Todos estes materiais em conjunto reproduzem com grande efectividade as condições de jogo de um campo de relva natural. Realmente os campos de 3G e 4G são verdadeiramente fantásticos e estão a anos luz de distância de esses campos de primeira geração, as chamadas carpetes ou tapetes, que a meu ver eram extremamente maus.

Convém destacar de uma maneira geral, que num campo de relva natural poderás ter um uso máximo de duas ou três horas diárias e nunca mais. Poderás sempre utilizar esse campo por um período maior, mas irás acabar por notar como a relva irá progressivamente morrendo e dentro de pouco tempo irás ver como um relvado natural passa a ser um batatal e extremamente mau. Assim que podemos então chegar todos a um ponto em que iremos concordar sem dúvida alguma, que o melhor para muitos clubes e secções desportivas que realmente utilizar um campo de relva artificial é uma boa alternativa e que inclusive irá aguentar muito melhor e também sobreviver de uma melhor maneira às inclemências meteorológicas.

Os problemas aparecem então depois de todos estes detalhes que acabamos de analisar, já que apesar de todo os avanços tecnológicos, é possível ver em como não se consegue ainda reproduzir de forma exacta todas as sensações que um futebolista tem em campos de relva natural. Não se trata de apenas de o toque de bola ou a maneira como ressalta, mas como também a espessura da relva em si é diferente, as nossas sensações de conforto e estabilidade não são as mesmas como num campo de relva natural.

Em jeito de conclusão, a relva artificial é um grande aliado do futebol moderno e continúa com a evolução de muitos dos nossos campos de futebol. Esta relva artificial permite que clubes mais modestos possam ter um campo em bom estado e durante muito mais tempo, como por exemplo nos países do norte da Europa, onde assim evitam que a neve e o frio extremo sejam as causas de cancelamento de jogos de futebol devido ao estado em que os terrenos de jogo se apresentam. No entanto a relva natural continúa sem dúvida alguma a ser o terreno de jogo perfeito para jogar ao desporto que todos nós amamos, como poderás ver nos melhores estádios de todo o mundo e onde a nível semanal se jogam os melhores jogos de futebol do planeta. No entanto se jogas em relvado artificial não utilizes chuteiras de futebol FG, mas sim chuteiras de futebol AG.

Comentários 0

Queres deixar aqui a tua opinião?
Entra com a tua conta de utilizador para participar na nossa comunidade.