TODAS AS PARTES DE UMA CHUTEIRA DE FUTEBOL!

Existe cada vez mais informação sobre este assunto por toda a internet, mas sabemos realmente como funciona uma chuteira? Como classificar e diferenciar as suas peças? Hoje vamos então "abrir" uma chuteira e entender assim também como funcionam.

17 March 2020 - Por Bruno Ferreira

As novidades no mundo das chuteiras de futebol, luvas de guarda-redes, sapatilhas de futsal, produto oficial e também das tecnologias de futebol são o dia à dia da Fútbol Emotion. Mas às vezes deixamos de parte as respostas a perguntas que consideramos simples, apenas porque consideramos que estamos perante algo que é tão simples como a pergunta em si. No entanto não poderiamos estar mais equivocados e como tal hoje vamos então realizar uma pequena viagem pelo mundo de uma chuteira de futebol, para assim podermos compreender todo o seu interior e todas as suas partes.

chuteira de futebol umbro blackout

As chuteiras de futebol são um dos produtos estrela da Fútbol Emotion, e como tal assumem um protagonismo diferente quando comparado com os demais produtos. No entanto e apesar de em cada lançamento descrevermos cada chuteira ao detalhe e mesmo apesar de todos os experts que nos acompanham, ainda existem certas dúvidas que imensos dos clientes possuem e que na Fútbol Emotion damos como simples. Mas isso acabou, e como tal hoje iremos então descrever virtualmente todas as peças de uma chuteira de futebol.

Quais são as partes de uma chuteira?

1 - Parte Superior

2 - Chassis

3 - Sola

As chuteiras de futebol são sem dúvida alguma o produto mais complexo a nível tecnológico que podemos encontrar actualmente na vida de um jogador de futebol. E mesmo apesar de as luvas de guarda-redes serem um produto cada vez mais díficil de criar, não chegam à complexidade que umas chuteiras de futebol possuem por exemplo.

biqueira preta bota futebol lotto

Parte superior

A primeira parte de uma chuteira de futebol é aquela que salta mais à vista, seja ela uma chuteira de relvado ou uma sapatilha de futsal. Essa é a parte que nos marca mais a nível visual já que é aquela que também apresenta mais tecnologia e também possui esse atrativo visual. Sejam elas chuteiras de futebol Nike, ou até mesmo da marca alemã adidas, podemos claramente dizer que todas essas chuteiras, sejam elas de que marca sejam, todas são diferentes, mas ao mesmo tempo iguais. Se por exemplo estivermos a falar de um tecido mais fino como o knit, vamos poder encontrar esse mesmo knit na tecnologia PrimeKnit, FlyKnit ou evoKnit. E isto apenas para nomear algumas, já que apesar de tudo esses nomes diferentes, todas estas tecnologias são muito semelhantes entre si e ao fim ao cabo são quase a mesma coisa, apenas explorada de maneira diferente por cada marca.

bota de futebol com picos vermelhos

Chassis

A estrutura de uma chuteira de futebol pode ser considerada como o coração desta tão importante peça de calçado. O chassis é realmente aquilo que dá sentido a esta ferramenta de trabalho para muitos e de diversão para outros tantos. Claro que a conjugação de todas as partes de uma chuteira é importante, mas no entanto se estas mesmas chuteiras de futebol não apresentarem um bom desenho estrutural, a estética e os materiais que fazem parte duma chuteira não teriam sentido algum. Por norma e nos últimos tempos, as partes mais pronunciadas de uma chuteira na Fútbol Emotion são: chuteiras com cordões ou sem cordões. E já que abordamos este tema, aproveito para felicitar a adidas por nos proporcionar a primeira chuteira sem cordões (Laceless) com um pvp abaixo do 100€. Chuteira que apesar de ser muito diferente quando comparada com a de gama alta, é bastante funcional e transmite as mesmas sensações do conceito laceless ao jogador.

lotto solista parte azul e branca
Uma outra peça desta estrutura tão fundamental como o chassis de uma chuteira, é a "meia", uma peça que se fez famosa nas chuteiras de Cristiano Ronaldo, as Nike Mercurial Superfly Elite, mas que no entanto já se pode ver em muitas outras chuteiras de futebol. No entanto talvez até se possa considerar esta peça não tão funcional como quando comparada por exemplo com os cordões. Um outro ponto importante dos chassis são os contra-fortes das chuteiras, sejam eles internos ou externos. São umas peças fundamentais, já que eles que permitem que tenhamos uma maior estabilidade e apoio em todos os nossos movimentos a um nível interno da chuteira.

Sola

A parte direta que serve de contacto entre o nosso corpo e o campo de futebol. MUITO IMPORTANTE: seja qual seja o material das vossas chuteiras, esse mesmo material não vai funcionar corretamente, se não estiveres a usar a sola adequada ao campo onde estejas tu a jogar futebol. Nada de levar solas FG a campos de relva artificial, ou até mesmo solas AG a campos de relva natural por exemplo.

sola da chuteira de cr7

Solas AG: As chuteiras de futebol com os pitões AG (Artificial Ground) estão desenhadas para ser usadas em campos de relva ou erva artificial. As características próprias deste tipo de terrenos requerem uma sola com um maior número de pitões para facilitar o agarre, mas que permita dar voltas sem que a sola se fixe ao tapete para minimizar os problemas nos joelhos. O maior número de pitões também faz com que o desgaste da erva sintética, mais abrasiva do que a natural, seja menor.

Solas FG: As chuteiras de futebol com pitão tradicional de borracha (FG) asseguram um grande agarre em quase todas as superfícies, costumam ser solas ultraligeiras em torno de 12 ou 13 pitões que podem ser cónicos ou alargados, dependendo da marca e do modelo, mas conseguindo prestações muito parecidas.

Solas SG: As chuteiras de futebol com pitões SG (pitões de alumínio) utilizam-se para conseguir uma máxima penetração sobre o terreno de jogo assegurando o maior agarre possível. Só se deve utilizar em superfícies onde tenhamos a certeza que os pitões vão espetar de todo, porque como só têm 6 ou 8 pontos de apoio, se os pitões não se espetam, incomodarão muito pela pressão que exercem sobre a planta do pé.

Solas TF: As chuteiras de futebol com sola Turf permitem um agarre máximo em superfícies sintéticas e minimizam os incómodos provocados pelos pitões na planta do pé. Os pitões numa superfície sintética não se espetam, apoiam-se e isso pode provocar dor pela pressão sobre a planta do pé. Com uma sola com muitos e pequenos pitões, essa pressão reparte-se por toda a planta do pé convertendo-se em imperceptível.

Comentários 0

Queres deixar aqui a tua opinião?
Entra com a tua conta de utilizador para participar na nossa comunidade.